vou me esconder embaixo da sua saia

Anúncios

carta a guilherme

Resultado de imagem para carta   tumblr

existem alguns motivos para eu querer pôr um fim nisso. pelo menos acabei de pensar em uns bocados. já que não consigo linearizar as ideias para falar, irei escrever. acho melhor sermos amigos, simplesmente, porque gosto de você, te acho bacana, mas não consigo continuar nessa “relação” sem circunstância. na verdade, não tem nem palavra para defini-la. sei que você prega muito esse lance de liberdade e tals. bom, nossos conceitos de liberdade são bem diferentes. mas, enfim. o que quero dizer é que se você quer uma “relação” puramente carnal deve encontrar outra pessoa, comigo não dá. não dá por vários motivos, mas o principal é que não consigo me entregar a você por inteira porque simplesmente não sinto confiança ou segurança para isso, fica sempre uma inquietude que me faz pensar demais e não viver o momento. mesmo que você repita que temos que aproveitar o instante e os “prazeres”, para mim não tá adiantando em nada se no outro dia me sinto horrível, arrependida. fora que me envolver com você me deixa aprisionada. que irônico, né?! a relação que para você é liberdade para mim é uma prisão que me impede de viver intensamente, de ousar, de conhecer e me entregar a outros seres vivos. ah, outra coisa muito importante, estou tentando colocar um ponto final pela segunda vez, agora com razões um pouco diferentes, mas espero que dessa vez seja a última. por favor, que seja a última. não venha atrás de mim e eu te prometo que por mais vontade e tentação, tentarei também não ir. mas espero que sejamos amigos. a gente se dá bem e eu adoro seu gosto musical. enfim, era isso que eu tinha a dizer.

 

ps:. uma das coisas que mais me perturba é que a gente sempre se beija para transar.

 

Da sua amiga, Julia Thais

quero escrever uma história

nunca escutei

deve ser música boa

se quiser já pode ir conquistando meu mundo

tropicaliza minha cachaça preta

te ensinaram errado, gravata é na cabeça

meus 20 anos

Imagem relacionada

É que meus 20 anos não explicam a imensidão de incertezas que diariamente me aparecem

quero beijar você, pequena

és uma pluma linda e branda

que poderia me aquecer

tanto quanto almas que mais me gritam

e me menosprezam do que propriamente me amam

porque nunca me amam

ando

e sou um pedaço de osso andando

quando vários cachorros e suas línguas para fora aparecem

famintos

nem sou um osso tão grande

posso até ser confundido com um ossinho pré adolescente

mas mesmo assim

os cachorros continuam a exibir suas línguas para fora

sem disfarçar a ânsia de esfregá-la em meu corpo ossudo

isso é apavorante

quando ando ossudamente

tento percorrer caminhos que passem longe dos cachorros

para não correr o risco de…

não acho que me devorarão ali

com o sol sendo testemunha

mas eles me comem pela beirada

e me deixam expostamente vulnerável

choro com medo e vergonha

não importa se meus ossos estão escondidos em camuflagens

eles sempre se comportam da mesma maneira

e eu fico sem saber o que fazer

roubando minhas próprias palavras

Tem coisas que escrevo e quando releio sinto que não fui eu que escrevi.

 

Preciso de mais palavras para tentar explicar o que sinto.

 

Decididamente estou com tantas dúvidas que necessito de um tempo solta. Presa a nada. Para analisar o que realmente quero em minha vida.

 

É tudo muito dolorido. Estou sentindo dor em todo o corpo. Dor física e psicológica. Dor de não ter feito e ter feito demais. Dor de um vazio. Que mais parece fome de algo que nunca comi e nem conheço e acho que nunca comerei.

 

Depois que reclamei de uma forte dor atrás da cabeça, minha mãe disse:

-Só faça o que for possível. E eu respondi: – Se eu fizer o que for possível, não farei o suficiente. Porque meu possível é muito limitado.

can’t buy me love

 

uma namorada de aluguel que imponha popularidade na vida que considero ser de merda e aí ela acaba se tornando de bosta